"Uma lenda, duas lendas, tantas lendas…" – Reescrita coletiva



Beowulf e o Dragão
Havia um rei dinamarquês valente na guerra e sábio na paz. Seu castelo era frequentente atacado por um dragão chamado Grandel.
Grandel atacava o povo e destruía tudo.
A notícia do mal se espalhou e depois de doze anos, chegou aos ouvidos guerreiros de Beowulf. Ele era jovem, sábio, corajoso e tinha a força de trinta homens.
Beowulf convocou catorze homens bravos e foi para a Dinamarca.
Chegando lá, dirigiu-se ao castelo e o rei quis saber quem era ele. O jovem respondeu que se chamava Beowulf e tinha vindo para livrar o reino do terrível dragão. O rei encheu-se de esperança e promoveu uma festa.
No meio dela, ouviram um assobio que atravessou o castelo, as portas caíram sobre a terra, Grandel entrou pela sala, seus olhos brilhavam como relâmpagos, de sua boca saía fogo e suas garras eram cortantes como espadas bem afiadas. Quando foi atacar um homem, sentiu uma dor insuportável: era Beowulf que apertava sua garganta.
Grandel se retorcia e urrava, mas acabou falecendo.
Uma velha feiticeira, mãe de Grandel, resolveu vingar-se: aprisionou o conselheiro do real, carregando-o para o fundo do lago.
O rei novamente pediu ajuda ao guerreiro. Beowulf e Wiglaf foram até o lago, Beowulf mergulhou e viu uma velha horrível sentada em um monte de ossos humanos.
Quando ela foi atacá-lo, Beowulf foi mais rápido e cortou-lhe a garganta, mas mesmo assim a velha continuou a lutar. De repente o herói viu uma espada gigantesca e com ela cortou a cabeça da feiticeira. Em seguida, subiu à superfície e viu a cabeça do conselheiro boiando.
Beowulf sentiu saudade de seu país e recebeu a notícia de que seu tio acabara de morrer, então resolveu voltar. Chegando lá, tornou-se rei.
Cinquenta anos depois ficou sabendo que um dragão estava incendiando a Dinamarca. Convocou sua tropa e partiram. O monstro esperava por eles. Quando viram a fera, seus homens o abandonaram, fugindo com medo; exceto Wiglaf que falou que estaria sempre ao lado de seu rei.
Beowulf esqueceu sua espada e atacou com tanta força que nem parecia que havia envelhecido, mas o dragão atingiu-o com suas garras venenosas.
Wiglaf salvou sua majestade, derrotando o gigante animal com sua espada. Antes de Beowulf morrer, nomeou Wiglaf rei, como prova deu-lhe seu anel.
Morreu tranquilo, sabendo que tinha um sucessor heroico e que iria trazer felicidade a seu povo.

Reescrita coletiva

Anúncios

One thought on “"Uma lenda, duas lendas, tantas lendas…" – Reescrita coletiva

Obrigada pela visita! Seu comentário será publicado após aprovação.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s