Jogo das quatro operações – Ranking do dia 25/06/2013

1º – João Pedro – 216 pontos

2º Hiago – 134 pontos

3º Geovani – 132 pontos

4º Hudson – 110 pontos

5º Natalia – 98 pontos

6º Tais – 76 pontos

7º Leonardo – 46 pontos

8º José Carlos – 22 pontos

***********************************************************************************************************************

E aí, consegue bater o recorde do João Pedro? 🙂

Para tentar, clique aqui:  http://www.tabuada.org/jogos-de-tabuada.php

Anúncios

Pinóquio – Teatro Municipal de Fernandópolis

No ônibus - 18/07/2013

No ônibus – 18/07/2013

No ônibus - 18/06/2013

No ônibus – 18/06/2013

Teatro Pinóquio 18/06/2013

Teatro Pinóquio 18/06/2013

19/06/2013

19/06/2013

O palco

O palco

Teatro Pinóquio 2013 (12)

Teatro Pinóquio 2013 (13)

Teatro Pinóquio 2013 (14)

Teatro Pinóquio 2013 (15)

Teatro Pinóquio 2013 (16)

Teatro Pinóquio 2013 (17)

Teatro Pinóquio 2013 (18)

Teatro Pinóquio 2013 (19)

Teatro Pinóquio 2013 (20)

Teatro Pinóquio 2013 (21)

Teatro Pinóquio 2013 (22)

Teatro Pinóquio 2013 (23)

Teatro Pinóquio 2013 (24)

Teatro Pinóquio 2013 (25)

Teatro Pinóquio 2013 (26)

Teatro Pinóquio 2013 (27)

Teatro Pinóquio 2013 (28)

Teatro Pinóquio 2013 (29)

Teatro Pinóquio 2013 (30)

Teatro Pinóquio 2013 (31)

Teatro Pinóquio 2013 (32)

Teatro Pinóquio 2013 (33)

Teatro Pinóquio 2013 (34)

Teatro Pinóquio 2013 (35)

Teatro Pinóquio 2013 (36)

Teatro Pinóquio 2013 (37)

Teatro Pinóquio 2013 (38)

Teatro Pinóquio 2013 (39)

Teatro Pinóquio 2013 (40)

Teatro Pinóquio 2013 (41)

Teatro Pinóquio 2013 (42)

Teatro Pinóquio 2013 (43)

Teatro Pinóquio 2013 (44)

Teatro Pinóquio 2013 (45)

Projeto didático “Uma lenda, duas lendas, tantas lendas…” – Ler e Escrever

Reescrita coletiva lenda Beowulf e o dragão:

Imagem

Beowulf e o dragão

Havia um rei dinamarquês que era valente na guerra e sábio nos tempos de paz.

Esse rei dava festas maravilhosas com muitos convidados. Numa delas, todos ouviram um assobio atravessar o castelo: era o terrível Grandel, o monstruoso dragão que cuspia fogo e tinha olhos vermelhos. Ele engoliu o primeiro homem que viu, gostou tanto do sangue humano que atacou muitos outros, acabando com a paz que existia naquele lugar.

Nenhum dos guerreiros do reino conseguia vencê-lo e o palácio ficou abandonado.

Após dez anos, a história chegou aos ouvidos do corajoso guerreiro Beowulf que tinha a força de trinta homens. Então ele escolheu catorze combatentes e juntos viajaram para a Dinamarca.

Chegando lá, o rei perguntou-lhe:

– Quem é você, jovem cavaleiro?

– Sou sua salvação, meu nome é Beowulf.

Para celebrar a chegada do guerreiro, o rei fez uma esplêndida festa. Durante a comemoração, os portões caíram por terra… era novamente o gigantesco Grandel, suas garras eram espadas que rasgavam o chão. Antes que engolisse alguém, sentiu uma dor insuportável pois Beowulf estava apertandolhe a garganta com suas próprias mãos. Depois de matar Grandel, o guerreiro levou o corpo do monstruoso dragão e jogou no lago.

Ninguém sabia que o lago era o antro dos monstros onde morava uma velha feiticeira, mãe de Grandel. Ela resolveu vingar a morte de seu filho decidindo aprisionar o conselheiro do rei.

O rei e Beowulf montaram seus cavalos e foram até o lago. Lá avistaram a cabeça ensanguentada do conselheiro real boiando nas águas. Beowulf mergulhou até o fundo do lago e lá estava a bruxa sentada sobre ossadas humanas. Ela atacou Beowulf, mas ele foi mais rápido e com sua espada cortou a garganta da velha malvada, mesmo assim ela continuou a atacá-lo. Beowulf viu uma espada gigantesca e cortou fora a cabeça da horripilante feiticeira. Depois o herói encontrou o corpo de Grandel e resolveu cortar a cabeça dele também.

Infelizmente, após derrotar os monstros, recebeu uma mensagem avisando que seu tio, que era rei, tinha acabado de falecer. Beowulf sentiu saudade de sua terra natal e resolveu voltar. Como era o único herdeiro, foi coroado rei.

Durante cinquenta anos, Beowulf governou com justiça e liberdade, continuando forte. Porém recebeu a notícia que outro dragão incendiava a Dinamarca. Convocou seus melhores guerreiros e partiram para lá.

Chegando, o dragão já os esperava: da garganta dele saía fogo e fumaça verde.

Os homens fugiram apavorados, deixando apenas Beowulf e Wiglaf, o mais jovem de todos os cavaleiros.

Beowulf, esquecendo a espada, tentou matar o dragão com as mãos, nem parecia que tinha envelhecido. De repente vê que sua espada havia se partido ao meio, nesse momento é atingido pelas garras envenenadas do dragão. Sentindo o veneno penetrar nas profundezas de seu corpo, ouve uma voz gritando:

– Não tema, meu querido rei, estou a seu lado.

Era o fiel Wiglaf que atingiu o monstro sinistro com um golpe mortal.

Beowulf, antes de morrer, pronuncia as suas últimas palavras:

– Fiel Wiglaf, como você foi o mais corajoso, eu te nomeio rei. Como prova disso, te dou o meu anel.

Beowulf morreu tranquilo, pois sabia que Wiglaf governaria seu reino com paz, honestidade e justiça.